novembro 17, 2012

Vale a pena ter esperança?


Há dias uma excelente bloguista que sigo escrevia, num pequeno mas significativo post, que a esperança é caraterística que acompanha os ingénuos, pois quando os deuses não estão connosco “é um ar que se lhe dá”.
Fez-me pensar, o que é bom e me leva a escrever o texto de hoje. Há verdade nesta afirmação. Analisada racionalmente, como convém, trata-se de uma grande verdade. A esperança não resolve tudo, por vezes pode ser completamente enganadora. No caso de uma doença grave,  de uma morte mais ou menos anunciada, de uma tragédia que se previa. Por muita esperança que se tenha tido, há desfechos que não desejávamos, que não foram merecidos, que nos mergulharam em tristeza e mesmo na falta de fé. São casos em que, sendo nós, humanos, completamente impotentes, podemos comprovar que a esperança não nos terá valido de nada, que não valeu a pena acreditar até ao fim. É terrível mas assim é.
Aliás, quanto mais altas as expetativas, maior é a desilusão, a frustração, não só nestas situações mais extremas mas noutras que não tenham um recorte tão definitivo. Daí a importância de baixarmos as expetativas e encararmos a adversidade como algo que pode não culminar de forma positiva para nós. Há que ter uma forte consciência da nossa pequenez face a tantas dimensões desta nossa vida cá em baixo, e que não basta, muitas vezes, uma mente otimista e um sorriso para que tudo se resolva a nosso contento. Ignorar os obstáculos e os perigos pode ser cegueira e nada pior do que esta para catapultar muitas infelicidades. Se os deuses não estão connosco, é verdade que a esperança pode ter sido em vão. É uma espécie de determinismo, dirão alguns, mas ele também preside, estranha e involuntariamente, quiçá, aos percursos de muitos de nós, de cada um de nós.
Ainda assim, independentemente de acreditarmos na força dos deuses ou não, é difícil viver sem fé. Ou melhor, viver sem esperança. Não creio que seja sempre ou necessariamente sinal de ingenuidade quando há uma ponta de esperança. Podemos estar a morrer de medo de alguma coisa, a temer o pior, conhecedores das dificuldades, conscientes do poder de algo maior, incontrolável, e ainda assim ter uma réstia de esperança.  Tolhidos pelo pavor de algum tipo de perda, mas ainda assim alimentar um alento. Que pode trazer a sorte de tudo (se) solucionar ou não.
Por outro lado, em muitas situações doutro género, é importante que se mantenha uma atitude positiva, construtiva. Um espírito esperançado pode colher mais vantagens na suas experiências de vida, ainda que com quedas, acredita que se vai levantar outra vez.  Pessoalmente, é-me difícil viver no pessimismo e na descrença constante. Ocasionalmente todos desacreditamos , fruto de experiências negativas que nos marcaram, mas acaba por regressar-se ao positivismo quando os dias deixam de chorar. A não ser se estiver deprimida, a não ser quando se está deprimido. Aí a esperança é substituída por uma letargia pintada a cores negras que não deixa entrever nenhuma espécie de arco-íris.
Daí que sendo necessários os favores dos deuses para os finais felizes das agruras mais intensas da vida, a verdade é que a esperança é uma boa bússola, para mostrar caminhos que nos parecem inexistentes. Uso-a, sem certezas absolutas, mas acreditando - querendo acreditar - que me pode levar longe.

escrito para o bahiamulher

9 comentários:

  1. Quero crer que AINDA vale a pena ter esperança!!!!
    Ao ler seu texto, lembrei-me de algo que costumava ouvir noutras terras:
    "A esperança é a última que morre... MAS MORRE!"

    ResponderEliminar
  2. Eu também me agarro à esperança, porque sei que ela vai morrer quando ficar sózinha.
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Não posso concordar mais contigo Faty! A esperança é um caminho, independente do desfecho. Enquanto vamos mantendo a esperança há força para se lutar. De que serviria uma vida em que o caminho seria tudo em negativo apenas com medo de ver as esperanças e as espetativas defraudadas? De NADA.

    ResponderEliminar
  4. Sem certezinhas nenhumas, e não assegurando o desfecho que queremos, mas é aquele alento, por mais pequeno que seja, que nos vai aguentando:)

    ResponderEliminar
  5. Claro q vale a pena ter esperança:)) Não resolve tudo, mas sem ela não temos absolutamente NADA!!!!! Bj amiga Lília

    ResponderEliminar
  6. E o nada é que não queremos:)

    ResponderEliminar
  7. Claro que sim! Há dias que não nos correm bem e se não tivermos esperança em dias melhores, então desistimos de "batalhar"... Marla

    ResponderEliminar
  8. ... e assim a vida não vale a pena! Marla

    ResponderEliminar
  9. É verdade, é uma grande alavanca que nos faz andar.

    ResponderEliminar