janeiro 23, 2014

O fumo e o fogo

                     

Há muitos dias e mais dias que ando a dizer "burro é aquele que arranja lenha para se queimar". Não me ouvem, não me ouvem. Ou então escutam, silenciam, anuem, para logo a seguir fazerem precisamente o contrário. Destroem diariamente não só as expetativas de quem os ama, independentemente da forma, mas as de outros que os veem brincar com o fogo. Destroem, sobretudo, aquilo que poderia ser e seria. Caminhos mais límpidos e mais promissores. As cabeças deitam fumo. Bom seria de tanto pensarem, neles e em quem os quer bem. A vontade é fraca, a liberdade confunde-se com transgressão, a reputação quer-se má, as promessas não subsistem. Fácil é não resistir. Na verdade, difícil é resistir no meio da exalação inebriante. A chama arde e queima-se o futuro. Porque no presente este fumo vem com fogo.

13 comentários:

  1. E no futuro não há nada, só cinzas , há um pássaro ( desculpe agora não me lembro do nome ) que renasce das cinzas mas eu creio que é lenda ou então não passará de um sonho e muitas vezes é tarde para sonhar.Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitas vezes é tarde para sonhar. Isso queria eu que entendessem, Aliete. (Refere-se à Fénix Renascida?)

      Eliminar
    2. Sim, esse mesmo, bom fim de semana beijinhos

      Eliminar
  2. O futuro está para lá da cortina de fumo...não se enxerga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não enxergam, não. É mais o caso, aqui.

      Eliminar
  3. O futuro é agora e o agora não é grande coisa!

    Beijinhos Marianos! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O agora não é grande coisa. E não falo de política nem de economia. Falo de vidas. :(

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Pois, mas este fumo e este fogo são muito concretos, preocupantes e mesmo "denotativos".

      Eliminar
  5. Teresa Estevesjaneiro 25, 2014

    Muito bem transmitido q que nós observamos, mas não sabemos dizê-lo assim.

    ResponderEliminar