outubro 03, 2013

À margem


Tive há pouco conhecimento do naufrágio de mais uma embarcação de imigrantes às portas da Europa. Li a notícia, que me chocou - mais uma, deste tipo - e comoveu profundamente. Este é um problema que persiste, fruto das profundas desigualdades entre nações, de políticas corruptas e opressoras, de condições indignas, de sobrevivência no limite. Chegam, alguns conseguem, muitos não - por variadíssimas razões - mas hoje, neste caso, nem puderam tentar. Mas, no meio da notícia, que li online, vi pela primeira vez uma nota positiva. Os comentários, que tantas e tantas vezes são cruéis, perversos, doentios e carregados de ódios e preconceitos, desta vez perpassaram humanismo, solidariedade, compaixão. Péssimo seria se perante uma tragédia destas o fator humano não vencesse sobre o resto. Pois trágica e péssima é a travessia que não deixa quem sonha chegar à outra margem. 


(Entretanto, a TVI abre com um tiroteio nos EUA e as outras com a troika. Isto diz muito da indiferença em relação ao problema da imigração. A não ser que os imigrantes (emigrantes) sejam portugueses, claro.)

2 comentários:

  1. Infelizmente é mais uma tragédia entre muitas que se assistem no Mediterrâneo ou no Golfo do México, por exemplo. Pelos mais variados motivos: políticos, económicos, humanitários, ... muitas pessoas procuram outros destinos onde possam ter uma vida digna que lhes é negada no país de origem, mas são infelizmente indesejados noutras paragens.
    Marla

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só a travessia é já uma provação. :(

      Eliminar