agosto 23, 2014

Do medo

É possível que grande parte do medo que sentimos decorra de coisas que já conhecemos. Mas é altamente provável que a maior parte do medo que temos advenha do que não conhecemos. 


10 comentários:

  1. E do que imaginamos, uma mistura de conhecido com desconhecido :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, sem dúvida! :) Os "filmes" que fazemos :)

      Eliminar
  2. O medo do que já conhecemos permite ultrapassar situações futuras e idênticas talvez com mais facilidade, não sei, digo eu. O medo do desconhecido pode paralisar e talvez não nos deixar experimentar situações novas que até podem acrescentar muito à vida.

    Bom domingo, Fátima :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo plenamente. Boa semana, maria :)

      Eliminar
  3. Depende um bocado de sermos ou não aventureiros. Para os aventureiros é mais normal ter medo do que já conhece...
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem visto, Carlos, provavelmente será isso mesmo :)
      Obrigada e beijinho para si *

      Eliminar
  4. É engraçado, não me considero muito aventureira e sempre tive (acho eu) mais receio do conhecido. Ao estilo "gato escaldado de água fria tem medo", mesmo que saiba que os frutos de me voltar a escaldar são superiores, mas as memórias do que foram não me permitem viver a ignorância da primeira vez, ou seja, a ausência de medo por não saber ao que ia :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta questão tem que se lhe diga, MS :) Eu gosto do desconhecido, de um certo desconhecido, mas acredito que há outro tipo de desconhecido que possa assustar mais... É difícil explicar sem exemplos Mas isto dá pano para mangas :)

      Eliminar
  5. Fátima, fiz sempre esta distinção: temos receio do mau que já experimentámos e medo do mau que nunca experimentámos. Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelentemente colocado, Paulo. No fundo, o medo é mesmo do mau... Beijinhos e boas férias (se ainda for o caso)

      Eliminar