junho 04, 2012

MetamorFASES


           
Três quadros, aparentemente sem conexão, três processos de transmutação individual, três linguagens de vida que se encontram e desencontram. Voos sobre a desilusão e o sofrimento, tombos que não aguentam a fasquia do renascimento e da felicidade. Valerá a pena a esperança? É possível evitar o precipício? Pode o amor ser sempre regenerador? Ou falta sempre algo mais na ruína das emoções que às vezes se torna fatal?
Que passagem é esta que ganha e perde? Que metamorFASES nos renovam ou nos destroem? A saída do casulo é aqui assegurada através do amor, da força interior e exterior, da bondade, mas há também aqueles que não conseguem escapar aos abismos incontornáveis.
Aqui, a transformação não tem idade, diploma, género. Aqui, a metamorfose é, afinal, resultado de histórias de vida que por momentos se cruzam e encetam novas possibilidades. Resistiremos se alguém acreditar em nós? Ou residirá a nossa graça na mais profunda crença em nós próprios? O anjo que vem para nos salvar bastará por si só? Ou não será essencial à vida a borboleta dentro de nós ousar voar?

 O vídeo da peça, aqui.

(Escrita para as Escolíadas 2012; 1ª cena Quadro I- versão final - concebida e escrita pela encenadora, Andreia Silva.)

5 comentários:

  1. Espectacularmente bom!!!
    Adoro...
    Repleto de tanta informação num cruzamento de vidas que sofrem tantas mudanças!
    Parabéns estiveste muito bem!!! Como sempre!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, querida Ana. Somos suspeitas, mas acho que temos um belo texto, sim, muito simples e rico, simbólico. Para reter, com atenção. Estou grata pela oportunidade que me deram... :)

    Carlos, que simpatia. Fico feliz por ter gostado, a peça filmada não tem o mesmo impacto como no palco, os alunos são jovens e as personagens são adultas mas, no geral, considero que o texto é rico e com belas passagens:) Foi um prazer, um desafio, e quem sabe o início de (pequenos) voos mais ficcionais... Beijinho grande para si.

    ResponderEliminar
  3. Um texto magnífico. Voar é preciso.
    :)

    ResponderEliminar
  4. Obrigada, jrd. Alegra-me saber isso vindo de si. :)

    ResponderEliminar